Dólar Comercial
CUIABÁ
  ÚLTIMAS NOTÍCIAS

ARTIGOS & OPINIÃO

Confissões de uma sobrevivente de 2021

Publicados

ARTIGOS & OPINIÃO

Tradicionalmente fins de ciclo remetem a balanços: ao que foi positivo, negativo, para então fazermos um saldo do ano. O que dizer de 2021? Quando acreditávamos que nos livraríamos da pandemia da Covid-19, veio uma segunda onda.

Olhando no retrovisor, frente a tantas adversidades, posso afirmar quanto avanço! Embora tenha havido muitas perdas, também tivemos muito amor expandido e conexões realizadas. No meu caso, findei uma sociedade de 18 anos e precisei vivenciar o luto dessa história.

Como sempre lidei com negócios e psicologia, não tive como me furtar de passar pelo processo nos dois paralelos: recomeçar o negócio e cuidar de mim. Nessa caminhada reencontrei clientes, parceiros e um novo propósito.

Também realizei algo importante: me reconectei com a família, reconhecendo o valor do meu marido, que sempre foi um “super parceiro”, e neste último ano mais ainda. Observei a importância da minha mãe, ao me impulsionar nas conversas e sendo uma importante mentora.

Que fundamental poder contar com meu irmão e minha cunhada, que abriram a empresa familiar para me oferecer muito mais que um abrigo, eles me deram uma equipe maravilhosa que me recebeu com tanto carinho e desprendimento. E como é gratificante descobrir tanto amor disponível nesses momentos de crise.

Viver um dia de cada vez, focado apenas no “hoje”, já que horizontes maiores não estavam ainda tão claros. Tenho que agradecer ainda duas parceiras diretas da nova empresa que aguentaram firmes os altos e baixos, mês a mês, que incluíram perdas indiretas de clientes, parentes, parceiros e amigos, muitos deles faleceram de Covid.

Leia Também:  Jovem de 18 anos morre durante relação sexual no litoral de SP

Aliás, a morte nos rodeou algumas vezes. Mas, ao mesmo tempo, tivemos um ano bastante colaborativo, inclusive, segundo Edu Lyra (Gerando Falcões), a pandemia veio para revelar o espírito do século 21: o século da colaboração. Aprendi ao vivo que mesmo no fundo do poço, podemos ajudar e nos apoiar mutuamente para prosseguir.

Do aspecto estrutural da empresa, recomeçamos desde o registro da marca, do domínio, passando pela criação do site, das mídias sociais e fundamentalmente pelo que desejamos entregar aos clientes. Eu fiz o voo da fênix, me reinventei praticamente do zero, como muitos outros empreendedores brasileiros fizeram.

Do ponto de vista da gestão de um negócio, encarei a tal transformação digital e posso dizer que minha empresa tem hoje 100% do processo contábil, administrativo e financeiro digital. Foram reuniões com parceiros, colaboradores, fornecedores e tudo andou bem. Isso me deixa mais feliz, porque estamos economizando em árvores, ou seja, aderindo “a pegada de carbono”, e no precioso tempo das pessoas.

O “lifelong learning” nos guiou e aprofundamos em questões relevantes e essenciais, como pensamento exponencial, acordos, estratégia, vieses, diversidade, psicologia do envelhecimento, formação de bons acionistas, governança corporativa e familiar, Agenda 2030 e liderança do futuro.

Aliás o “vício” do ano foi fazer cursos. Fiz tantos, compartilhamos em equipe, e isso ampliou nossa visão, o que ajudou a chegar até aqui, pavimentando a estrada que continuará a partir do próximo ano.

Esse foi o ano que mais me senti conectada com o todo, com a existência e as questões sustentáveis da vida. Vale ressaltar um aspecto interessante e atrativo: a carteira de clientes e os projetos refletiram isso, pois escolhi o que quis fazer e o que bate com o que acredito e com o momento.

Leia Também:  Polícia prende criminosos e evita furto à agência bancária na avenida Couto Magalhães

Apoiamos famílias empresárias, casais empresários, associações e empresas não familiares para que perpetuassem seus negócios, com os melhores acordos, parâmetros, as melhores estratégias e os melhores profissionais.

Como pessoa de perfil relacional, segundo uma nova ferramenta que experimentei, fiz inúmeras e importantes conexões esse ano. A melhor delas: me reconectar comigo! Isso refletiu em questões de cargos, tribos, geografia, novos amigos, novos projetos e centelhas divinas em forma de pessoas.

Quando me dei por mim, percebi que estava querendo deixar o meu legado e agindo em prol de um futuro melhor. Defini quais causas quero atuar e sem dúvida uma delas é o etarismo (preconceito pela idade), quase que uma causa própria, e a potencialização do papel da mulher, aliás, com quantas mulheres maravilhosas me conectei!

Apesar de todas as adversidades, o balanço deste ano é positivo, vivemos muita coisa, no coletivo e individual: superação, reconstrução, esperança e responsabilidade. No meu caso, com muita gratidão no coração. Que 2022 venha com os desafios que vierem, estou pronta para seguir! Nós estamos!

 

Cristhiane Brandão, Conselheira de Administração em Formação, Consultora em Governança & Especialista em Empresas Familiares. Sócia fundadora da Brandão Governança, Conexão e Pessoas

 

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

ARTIGOS & OPINIÃO

Cientistas Políticos preveem renovação de 50% na AL e na bancada de MT na Câmara

Publicados

em

cientistas políticos Vinícius de Carvalho e João Edisom

Segundo avaliação dos cientistas políticos Vinícius de Carvalho e João Edisom, tanto a Assembleia Legislativa (ALMT) quanto a bancada mato-grossense na Câmara Federal devem ter uma renovação de mais de 50% dos parlamentares.

Segundo eles, muito se deve as mudanças na legislação, o que deixa o cenário “incerto” para o próximo pleito. “A proporcional ainda é uma grande incógnita, porque como ela é não ligada diretamente ao caixa, as pessoas perderam um pouco a responsabilidade com o voto. Estamos assistindo cada vez mais sendo conduzidas aos cargos proporcionais, pessoas completamente malucas. Então, essa eleição tem a tendência de insistir nesse modelo de pessoas exóticas tanto de um lado quanto do outro. Nesse embate, muitos parlamentares que estão há muito tempo na Assembleia Legislativa podem sofrer um baque muito grande nessas eleições justamente por não se enquadrarem  nessa realidade. Nas cadeiras poderão ter uma troca acima de 50% tanto no Estadual quanto no Federal”, avaliou João Edisom.

 

O analista político avalia que muitos vereadores deverão disputar a próxima eleição para “ajudar” a legenda no chamado coeficiente eleitoral, o que pode “atrapalhar” deputados com mandatos. “Na Câmara Federal será uma guerra entre os partidos ou federação porque a distribuição do orçamento é feito pelo numero de vagas. Então, o federal passou a interessar muito mais os partidos do que do Estado. Então, acredito que isso deve enxugar o número de candidatos e ter candidatos mais fortes. Acredito que essa eleição terá o maior número possível de vereadores colocando os nomes para formar o coeficiente eleitoral. Isso é muito interessante, porque as bases dos deputados que estão ocupando cargos na Assembleia são formadas em sua maioria por vereadores com mandato. Por isso, que aqueles hoje possuem cadeiras na Assembleia Legislativa correm um risco enorme”, acrescentou.

Leia Também:  Prorrogada data da prova de conciliador em Nova Monte Verde

Vinicius também acredita que grande parte dos atuais deputados estaduais não consigam se reeleger devido às novas regras eleitorais estabelecidas. Mas, isso dependerá da forma como cada partido organizar a formação de chapa. “Na última eleição tivemos vários candidatos que não conseguiram ser reeleitos. Como não terá coligação os partidos deverão montar chapas puras ou uma federação. Então, acho que dos 24 deputados, a tendência é que desta vez tenhamos em torno de 12 reeleitos. Vai depender de como cada partido fará a montagem dessas chapas. A tendência é que tenha uma grande quantidade de vereadores deixem os cargos e sejam candidatos a deputados estaduais e federais, com chances de serem eleitos”, explicou o especialista.

Ainda conforme o cientista político, entre as mudanças que podem surgir na Assembleia Legislativa, estão os secretários da gestão Mauro Mendes, que devem deixar os cargos para entrar na disputa. “Todos eles têm chances porque o Mauro está muito bem. O Beto Dois a Um tem chances, o Gilberto, a Saúde tem feito um trabalho muito forte em todo o Estado e isso tem uma amarração política, o Silvano também tem chances. Dentro do União Brasil isso será construído, porque tem que ver se o Botelho vem, o Dilmar Dal Bosco, tem a vice do Mauro que ainda não foi definida, que pode ser o próprio Botelho, por exemplo, para abrir espaço para o Gilberto e para o Beto. Tem o Tribunal de Contas que pode abrir a vaga  do conselheiro Antônio Joaquim, quem pode ir? Será que o Botelho vai ou o Dilmar. Tem o Júlio Campos, que é um nome respeitado, a Lucimar Campos que pode vir a deputada federal. Então, existem essas costuras”, concluiu Carvalho.

Leia Também:  Planejamento traz benefícios e segurança à implantação de negócios

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

MAIS LIDAS DA SEMANA