Dólar Comercial
CUIABÁ
  ÚLTIMAS NOTÍCIAS

BRASIL

Médicos da rede pública municipal de SP aprovam paralisação por um dia

Publicados

BRASIL

Médicos da rede pública municipal da capital paulista aprovam uma paralisação na próxima quarta-feira (19). A decisão veio após o sindicato da categoria divulgar uma  carta aberta denunciando as más condições de trabalho e reivindicando o pagamento de horas extras e mais contratações para o setor.

Ao iG, o presidente do sindicato, Victor Dourado, afirmou que a paralisação, à princípio, será apenas no dia 19, mas que existe a possibilidade de novas greves caso as exigências não sejam cumpridas.

“Nesse momento, vai ser só um dia mesmo. Esperamos que as reivindicações sejam atendidas, mas caso os problemas continuem realizaremos outras assembleias para decidir o que fazer”, afirmou à reportagem.

A deliberação e decisão final foi feita por 150 médicos, em um assembleia realizada pelo Sindicato dos Médicos de São Paulo (Simesp) na noite desta quinta-feira (13).

Os profissionais que trabalham nas Unidades Básicas de Saúde (UBS) da capital paulista pediram uma reunião com a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) para ter uma resposta sobre a restruturação de equipes desfalcadas em razão de afastamentos por Covid-19 e outras demandas feitas.

Leia Também:  RJ: Advogada de Flordelis, Janira Rocha é condenada por rachadinha

Os médicos ainda reivindicam a desobrigação do comparecimento em fins de semana e feriados e a retomada dos espaços de discussão entre o sindicato e a prefeitura.

Carta aberta

Nesta semana, o  iG já noticou que o Simesp havia feito uma cobrança pública por melhores condições de trabalho. Os profissionais de saúde das APS (Atenção Primária à Saúde) afirma que, devido ao avanço da variante Ômicron e o aumento no número de casos de influenza na cidade, as unidades de saúde estão superlotadas e as equipes sobrecarregadas.

Segundo o próprio sindicato, comparado com o início de dezembro de 2021, houve um aumento de quase 200% de profissionais de saúde afastados do trabalho em janeiro por conta do elevado número de infecções, tanto de Covid-19 quanto Influenza.

Segundo  noticiado por nossa reportagem, as reinvidicações do sindicato e dos profissionais não leva a “lugar nenhum”. O Simesp afirma que já fez uma série de reivindicações à prefeitura e às Organizações Sociais de Saúde (OSS), responsáveis pela gestão das unidades básicas de saúde do estado. As respostas, segundo o sindicato, não resolvem o problema.

Leia Também:  Passageiros de cruzeiro cancelado relatam briga por pizza após horas de espera

A Secretaria Municial de Saúde da capital paulista (SMS) disse que respondeu a dois ofícios do Simesp. Segundo a pasta, “a SMS já autorizou o pagamento das horas extras dos profissionais pelas Organizações Sociais de Saúde (OSS)”.

Em relação ao pagamento de horas extras, uma das reivindicações, a SMS disse que “aguardava o novo ano fiscal para saldar o pagamento aos profissionais de saúde envolvidos diretamente ao atendimento à pandemia de Covid-19”.

A nota enviada ao iG também diz que “em nenhum momento obrigou que as equipes sejam da Atenção Primária à Saúde (APS).”

Fonte: IG Nacional
COMENTE ABAIXO:
Propaganda

BRASIL

Quatro estados têm ocupação de leitos de UTI Covid em 80% ou mais

Publicados

em

UTI

Com explosão de casos em todo o país, Ceará, Goiás, Pernambuco e Espírito Santo enfrentam mais pressão no sistema de saúde

A explosão de casos de Covid-19 no início deste ano, provocada pela chegada da variante Ômicron, tem feito muitos estados enfrentarem pressão em seus sistemas de saúde, especialmente, nas Unidades de Terapia Intensiva. Ceará, Goiás, Pernambuco e Espírito Santo apresentam um patamar bem próximo de 80% – no caso do estado pernambucano – e acima desse percentual nos outros três estados.

Além desses quatro estados, o Distrito Federal também apresentou índices críticos. A taxa de ocupação dos leitos públicos de UTI para tratar os pacientes mais graves acometidos pela Covid-19 chegou a 91,11% nesta quarta-feira (19). O dado é do painel InfoSaúde. Na rede pública, restam apenas 4 vagas para acomodar os infectados.

O índice não atingia esse nível desde junho do ano passado, segundo o monitoramento da Fundação Oswaldo Cruz. Diante do aumento da demanda por vagas, o governo anunciou um plano de mobilização de leitos estruturado em sete fases. Na semana passada, 10 leitos extras foram abertos, e a previsão era de outros dez começarem a funcionar nesta quarta.

O estado de Goiás registou na terça-feira (18) uma taxa de ocupação de leitos de UTI Covid-19 de 82,58% e na capital, 83,51%. Já a taxa de enfermaria para Covid está em 50,36% no estado e em 86% em Goiânia. Outro estado que está com a ocupação de leitos em níveis preocupantes é o Ceará. De acordo com a Secretaria da Saúde do Ceará, a taxa de ocupação nesta quarta-feira (19) é de 83,33%.

Leia Também:  Estudo da XP Asset mostra que Brasil vacinará toda população adulta até setembro

De acordo com o painel de informativo da Secretaria de Planejamento e gestão de Pernambuco, a taxa de ocupação de leitos de UTI por síndrome respiratória aguda grave, infecção causada pelo coronavírus, ficou em 86% na segunda-feira (17). O estado pernambucano tem 952 leitos de UTI Covid, mas na segunda-feira (17), cinco pessoas (três adultas e duas crianças) esperavam na fila de espera por uma vaga.

O Espírito Santo registrou a taxa de ocupação de leitos de UTI COvid em 79,17% na terça-feira (18). Já em relação a taxa de ocupação de leitos em enfermaria, a ocupação é de 69,87%. A quantidade total de leitos corresponde a 623 unidades, sendo 384 de UTI e 239 de enfermaria. A ocupação total de leitos é de 75,60%.

Estado com menos pressão, mas com aumento de casos

Outros estados e capitais também viram suas taxas de ocupação para leitos de UTI Covid aumentarem decorrência da disseminação da variante Ômicron e, embora não estejam com os patamares tão elevados, preocupam as autoridades sanitárias.

O Estado do Rio de Janeiro teve o território classificado na chamada “bandeira amarela”, de baixo risco para Covid-19, segundo a 64ª edição do Mapa de Risco da Covid-19, divulgada na sexta-feira (14) pela Secretaria de Estado de Saúde.

Segundo a secretaria, as taxas de positividade para Covid em testes RT-PCR no período de 4 a 11 de janeiro sofreram aumento de 38%, mas os óbitos tiveram redução de 28%. O órgão informou ainda que todas as regiões de saúde apresentaram uma taxa de ocupação de UTI e Enfermaria inferior a 40%. O aumento repentino nos resultados positivos para a Covid-19 foi identificado a partir do dia 26 de dezembro, quando o índice passou de 1,4% para mais de 20% nos primeiros dias de janeiro.

Leia Também:  Família tenta acender churrasqueira com álcool e irmãos morrem queimados

Em São Paulo, dados da Secretaria Estadual de Saúde, mostram que a taxa de ocupação de leitos Covid-19 em UTIs é de 51,7% no estado e em enfermarias, de 56,3%. Na região metropolitana, a ocupação de leitos de UTI Covid é de 58,4% e nas enfermarias, de 65,3%. Ainda no Sudeste, Minas Gerais tem 24,26% dos 2.102 leitos de UTI Covid ocupados.

No Amazonas, que há um ano foi palco da maior crise de desabastecimento de oxigênio no país, dados da Fundação de Vigilância em Saúde mostram que a taxa de ocupação de UTI Covid é de 36,4% e de UTI Geral, 83,1%. Já a taxa de leito clínico de Covid no estado é de 69,6% e de leitos clínicos gerais, de 78,5%.

Na capital baiana, o percentual de leitos ocupados em UTI adulto é de 64%, de UTI pediátrica, de 60%. Já em relação aos leitos clínicos adultos, a ocupação é de 77% e de leitos pediátricos de 90%.

Medidas restritivas

Para conter o avanço dos casos, o secretário de Turismo e Lazer de Pernambuco, Rodrigo Novaes, anunciou novas regras de convivência válidas até 31 de janeiro. Festas e encontros terão uma redução no limite de pessoas autorizadas a entrar: mil pessoas em espaços fechados e até 3 mil pessoas em locais abertos, incluindo estádios de futebol.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

MAIS LIDAS DA SEMANA