Dólar Comercial
CUIABÁ
  ÚLTIMAS NOTÍCIAS

CURIOSIDADES

6 invenções militares que usamos no dia a dia

Publicados

CURIOSIDADES

Pode parecer espantoso, mas muitos materiais que utilizamos em nosso dia a dia foram desenvolvidos por ou para militares, especialmente em períodos de guerra. Outros tantos produtos presentes em nosso cotidiano empregam alguma tecnologia bélica.

Da faca ao chocolate, a presença de tecnologia desenvolvida por militares foi e é importante em nossas vidas. Por isso, reunimos seis produtos inusitados que tiveram origem no universo militar.

1. Forno micro-ondas

No fim da Segunda Guerra Mundial, o engenheiro Percy Spencer inspecionava componentes usados em radares carregando uma barra de chocolate em seu bolso. Quando percebeu que a barra havia derretido, deduziu que isso teria ocorrido causado pelo calor gerado pelos magnetrons usados nos radares.

Foi aí que Spencer criou um aparelho para aquecer alimentos usando esse princípio. A empresa militar em que trabalhava, a Raytheon, adorou a ideia e lançou o 1° micro-ondas, um “monstrengo” de 340 quilos que custava entre 2 mil e 3 mil dólares. Por esse preço, talvez houvesse quem achasse melhor comer comida fria.

2. Câmeras digitais

(Fonte: FanFoto)(Fonte: FanFoto)

Aperfeiçoada principalmente na década de 1970, durante a Guerra Fria, a tecnologia da câmera digital tem origem nos primeiros satélites espiões, usados para capturar imagens de instalações militares de inimigos.

Levaria alguns anos para evoluir para as lentes DSLRs das câmeras contemporâneas, mas foi o ponto de partida para a fotografia digital. Na próxima vez que pegar seu smartphone para tirar uma foto, sinta-se um pouco como o James Bond.

Leia Também:  VÍDEO: sapo-cururu ataca e engole cobra jararaca

3. Panela de teflon

(Fonte: Revista Galileu)(Fonte: Revista Galileu)

Suas panelas para cozinhar que não grudam nada possivelmente têm teflon. Essa tecnologia, antes de facilitar nossa vida na cozinha, foi inventada para os militares americanos revestirem tubos e vedações na produção de material radioativo para a primeira bomba atômica.

Criada pelo químico Roy Plunkett, em 1938, enquanto experimentava gases para refrigeração, foi batizada apenas em 1945. Contudo, foi somente após o fim da Segunda Guerra que desenvolveram outras aplicações para o teflon. Entre elas, a possibilidade de incluir a tecnologia em panelas, aprimorando o ato de cozinhar alimentos sem grudar no fundo dos utensílios domésticos.

4. Margarina

(Fonte: Casa Bela Café)(Fonte: Casa Bela Café)

No contexto da Guerra Franco-Prussiana, o imperador francês Napoleão III, sobrinho de Napoleão Bonaparte, estava em busca de uma alternativa que fosse mais acessível financeiramente para a manteiga, à época um produto caro e escasso.

Foi então que o químico Mège-Mouriès desenvolveu a margarina, em 1869, recebendo do imperador um prêmio. Existem historiadores que questionam se Napoleão III teria solicitado a criação da margarina para ajudar na alimentação dos franceses pobres ou para abastecer as tropas do país às vésperas de uma guerra.

Leia Também:  Câmera de segurança registra batida de Mustang avaliado em R$ 300 mil

5. Comida enlatada

(Fonte: Sabor À Vida)(Fonte: Sabor À Vida)

A evolução da tecnologia para embalagens passa, diretamente, pela criação da comida enlatada, que tornou a conservação de alimentos mais resistente, prática e segura.

Ela tem origem no século XIX, por solicitação do governo francês, que visava encontrar uma forma econômica de preservar grandes quantidades de alimentos, com objetivo de fornecê-los para suas tropas. Um investidor descobriu que alimentos cozidos não estragavam se estivessem selados, criando assim o princípio da comida enlatada.

Durante a Primeira Guerra Mundial, apesar de elevar um pouco o peso que os soldados carregavam, tornaram-se fundamentais na sua sobrevivência. Dali para as prateleiras dos supermercados foi “um pulo”.

6. A internet

(Fonte: SAPO)(Fonte: SAPO)

internet, como a conhecemos, parte de tecnologias que engatinhavam já na década de 1950, quando se planejava o conceito de uma rede ampla capaz de conectar computadores de diferentes laboratórios de pesquisa científica.

Foi na década de 1960, já durante a Guerra Fria, que uma agência do Departamento de Defesa dos Estados Unidos recebeu uma proposta do cientista da computação J.C.R. Licklider sobre uma rede global de compartilhamento de dados. Foi o início da ARPAnet, que desenvolveu a tecnologia de rede que foi a base para a World Wide Web que conhecemos e amamos — e onde você nos lê.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

CURIOSIDADES

Heldergroen: o escritório holandês que “some” depois de 18 horas

Publicados

em

Localizado em Amsterdã, Holanda, o escritório Heldergroen vem transformando a vida de dezenas de marcas sustentáveis há pouco mais de 20 anos, inovando por meio de um serviço pioneiro no chamado “mercado verde”.

Além de se destacar pela sua importância histórica e operacional no país, a empresa chama a atenção pelo método pouco convencional de cuidar dos colaboradores e evitar as horas extras, “desaparecendo” depois das 18 horas com o suporte de uma técnica vertical de arquitetura.

A sede do escritório foi desenvolvida pelo Zecc Architects e prioriza o próprio conceito ambiental da companhia, com mesas, cadeiras e os principais móveis construídos após a reciclagem de antigos postes telefônicos, peças de carro disponíveis em ferro velho e outros itens abandonados. Em horário comercial, toda a mobília fica disponível integralmente aos colaboradores em um cenário amplo e sem divisórias departamentais, mas é apenas no final do dia de trabalho que a sala faz sua mágica.

A partir das 18 horas, o sistema automático da empresa ergue as mesas com todos os computadores e acessórios distribuídos nelas por meio de guindastes, elevando os móveis para uma plataforma suspensa e abrindo a sala para que atividades laborais sejam praticadas. Além disso, as cadeiras são guardadas em gaveteiros práticos com rodinhas, que, ao serem encostados nas laterais das paredes, dão uma aparência rústica e elegante para o escritório. Confira abaixo, em vídeo, como ocorre o procedimento de abertura do espaço.

Leia Também:  Era do gelo: mergulhadores encontram osso de mamute de 100 mil anos; veja foto

O mecanismo teatral — semelhante às técnicas de elevação de pessoas e objetos — visa comprometer os colaboradores a realizar seus trabalhos durante o período contratual, evitando extrapolamentos de horários e, consequentemente, o desgaste físico e mental.

Segundo o diretor-criativo da companhia, Sander Veenendalls, a rotina do Heldergroen intercala frequentemente os processos operacionais com festas, workshops, aulas de yoga, cursos de dança e outras atividades que requerem espaço, como forma de preservar o bem-estar das pessoas.

Você já ouviu falar de escritórios suspensos? O que você acha dessa prática pouco convencional de rotina trabalhista? Deixe a sua opinião nos comentários.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

MAIS LIDAS DA SEMANA