Dólar Comercial
CUIABÁ
  ÚLTIMAS NOTÍCIAS

EDUCAÇÃO

Inca integra projeto para estimular igualdade de gênero nas ciências

Publicados

EDUCAÇÃO

O Instituto Nacional do Câncer (Inca), vinculado ao Ministério da Saúde, foi selecionado para integrar um grupo internacional cujo objetivo é estimular a igualdade de gênero nas instituições de ciência, tecnologia, ensino superior e pesquisa. Em parceria com as universidades de São Paulo (USP) e de Birmingham, na Inglaterra, o Inca vai desenvolver, ao longo deste ano, políticas e práticas para aumentar a atuação das mulheres nesses espaços.

A iniciativa Mulheres na Ciência foi fundada pelo British Council, que desenvolveu o projeto Promovendo e Fortalecendo a Igualdade de Gênero no Ensino Superior: uma perspectiva Reino Unido-Brasil. Do total de 15 trabalhos qualificados para o edital do British Council, seis foram escolhidos para receber o financiamento da organização Mulheres na Ciência: Chamada de Parcerias pela Igualdade de Gênero do Reino Unido-Brasil. Um deles foi o das pesquisadoras do Inca Mariana Boroni, Mariana Emerenciano e Patricia Possik.

Mariana Boroni disse hoje (11) à Agência Brasil que há cerca de um ano as pesquisadoras começaram a conversar sobre como poderiam mudar a realidade da desigualdade de gênero e de outras minorias no instituto. “E a gente viu a oportunidade de participar desse processo seletivo onde são escolhidas instituições brasileiras, em parceria com instituições inglesas, financiado pelo British Council, para desenvolver esse programa voltado para a equidade de gênero, no caso da mulher na ciência”.

Mapeamento

Mariana Boroni disse que a ideia é, primeiro, detectar quais seriam os principais problemas que elas conseguem enxergar no Inca e na USP. “A ideia é tentar mapear os principais problemas de desigualdade de gênero nessas instituições, aprender com instituições parceiras, como a Universidade de Birmingham, que já tem um programa montado para equidade de gênero, e ver de que forma a gente pode aplicar essas ações no nosso instituto, para ter um ambiente mais igualitário, mais equitativo, onde a participação das mulheres seja maior, mais relevante, mais reconhecida”.

Leia Também:  Servidores municipais da Educação têm até o dia 31 de julho para fazer recadastramento anual

Em fevereiro próximo, será realizado o primeiro seminário, envolvendo as três instituições. Depois, haverá uma visita técnica dos pesquisadores brasileiros à Inglaterra, para receber treinamento, entender as políticas e ações que estão sendo feitas naquele país para, em um segundo momento, tentar aplicá-las no Brasil. Uma terceira etapa será uma visita técnica dos pesquisadores de Birmingham ao Brasil, para a continuidade do debate sobre o tema. Serão feitas palestras de conscientização, mapeamento dos problemas, visando o estabelecimento de ações que possam mitigar essa situação nas instituições.

Mariana Boroni disse que além de a presença das mulheres nas ciências exatas ainda ser reduzida, nas ciências biológicas nenhuma mulher ocupa um cargo de decisão, onde são formuladas as políticas. “Outro problema é que as mulheres são cobradas com uma carga de produtividade semelhante à dos homens, só que elas têm atividades domésticas para as quais os homens não contribuem. Existe muita desigualdade para a forma como as mulheres são cobradas nos cargos que elas ocupam. Isso não é percebido pela comunidade científica”.

Leia Também:  MP abre inscrição de processo seletivo com 410 vagas para estagiários de direito

A pesquisadora disse que os salários nas ciências são semelhantes, embora a mulher não ocupe cargos políticos ou de alta hierarquia, que detêm os mais altos salários. “Isso influencia bastante”.

Os resultados do programa deverão ser apresentados no final de 2022, após reunião de avaliação, prevista para outubro.

Rede

A rede conjunta Mulheres na Ciência, proposta pelos pesquisadores, profissionais e estudantes envolvidos no trabalho, vai proporcionar encontros para discussão do tema. Serão criados também novos recursos digitais e materiais de treinamento personalizados para ajudar no desenvolvimento profissional contínuo.

Durante a execução do programa, outro objetivo é compartilhar as descobertas com comunidades científicas e de relações internacionais, por meio de conferências, publicações conjuntas e mídias sociais.

“É muito importante termos o reconhecimento da relevância e qualidade dos nossos projetos e equipes. Esse tipo de apoio é fundamental para implementarmos ações que diminuam a desigualdade de gênero na área acadêmica e científica em nosso país”, ressaltou o coordenador de pesquisa do Inca, Luiz Felipe Ribeiro Pinto.

A reitoria de Projetos Estratégicos da Universidade de Birmingham quer disseminar a ação pelo Brasil. O propósito é que o Inca, a USP e a Universidade de Birmingham trabalhem com mais parceiros em todo o Brasil, visando expandir o projeto para pesquisas e colaborações mais amplas sobre os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da Organização das Nações Unidas (ODS/ONU), em relação à igualdade de gênero.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

EDUCAÇÃO

Rede estadual não exigirá comprovante de vacinação contra a Covid-19 para volta às aulas

Publicados

em

As crianças e adolescentes de Mato Grosso não precisarão apresentar comprovante de vacinação contra a Covid-19 para retornar às aulas presenciais na rede estadual de ensino em Mato Grosso. Segundo o governador Mauro Mendes (DEM), somente uma lei federal poderia fazer tal determinação.

No Estado, o ano letivo iniciará no dia 07 de fevereiro de 2022 e será concluído no dia 16 dezembro de 2022. Os servidores efetivos retornam no dia 20 de janeiro, quando inicia a semana pedagógica, momento de planejamento das atividades.

“Eu não vou adotar essa linha da exigência, nenhum governador… somente com força de lei federal pode-se criar esse tipo de exigência. O que eu vou fazer como governador é continuar mostrando dados, informações verdadeiras que se tem disponível aqui em Mato Grosso, no Brasil e no mundo que mostra que grande parte das pessoas que estão morrendo é porque não tomaram vacina ou tomaram apenas uma dose”, afirmou o governador, em evento da Secretaria de Educação na noite desta terça-feira (18).

Mauro argumentou que tentará convencer a população a se vacinar e a vacinar seus filhos por meio da informação, mas não pela exigência. “A vacina tem sim salvado a vida das pessoas, a vacina tem sido capaz de provocar essa grande redução que vivenciamos e mesmo agora diante desse grande aumento de casos, estamos vendo que a letalidade e numero de internação é muito menor do que agora já foi”, disse.

Leia Também:  Sintep comemora obrigatoriedade da vacinação para volta às aulas

Neste ano será implementado em Mato Grosso o Novo Ensino Médio para os estudantes do 1º ano. A carga horária mínima será 1.000 horas, distribuídas por um mínimo de 200 (duzentos) dias letivos. Semelhante ao planejamento de anos anteriores, o Ensino Fundamental e as turmas de 2º e 3º ano do Ensino Médio terão carga mínima de 800 horas.

O recesso escolar do meio do ano será do dia 11 a 25 de julho. Já o recesso do fim do ano será de 19 de dezembro de 2022 a 17 de janeiro de 2023. As datas valem para alunos e servidores que estão exercendo as funções de regência de turma, articulação da aprendizagem, sala de recursos multifuncionais, intérprete de libras, instrutor surdo, auxiliar de turmas e motoristas dos ônibus escolares lotados nas escolas estaduais especializadas.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

MAIS LIDAS DA SEMANA