Dólar Comercial
CUIABÁ
  ÚLTIMAS NOTÍCIAS

FOLHAJUS

Três desembargadores articulam disputar eleição para presidente

Publicados

FOLHAJUS

Os desembargadores José Zuquim Nogueira, Luiz Ferreira da Silva e Clarice Claudino da Silva são estão se articulando para concorrer ao cargo de presidente do Tribunal de Justiça de Mato Grosso, na eleição que ocorrerá em outubro.

Quem vencer a eleição vai comandar o Judiciário de Mato Grosso entre 2022 e 2023.

A atual presidente do TJMT, desembargadora Maria Helena de Póvoas, não poderá concorrer à reeleição.

Em 2020, o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) suspendeu dispositivo do Regimento Interno que permitia a reeleição de presidente do Tribunal de Justiça de Mato Grosso. Naquele ano, a decisão atingiu o então atual presidente do Judiciário, desembargador Carlos Alberto Alves da Rocha, que tentava ficar mais um mandato à frente do Judiciário.

Mas, mesmo se pudesse concorrer, Maria Helena já declarou que não iria se candidatar novamente ao cargo.

Conforme apurou a reportagem, José Zuquim , que é o atual corregedor-geral de Justiça, vem articulando sua pré-candidatura com apoio do desembargador Orlando Perr, um dos mais influentes e respeitado da Corte.

Leia Também:  Governo Federal lança ferrovia que liga Mato Grosso a Goiás nesta sexta-feira; investimento será de R$ 3 bilhões

Já Luiz Ferreira conta com o apoio do ex-presidente do TJMT e presidente do Tribunal Regional Eleitoral (TRE/MT), Carlos Alberto da Rocha.

Clarice Claudino, por sua vez, está costurando um apoio junto a outras oito mulheres que compõem a corte superior do Judiciário mato-grossense, inclusive a atual presidente.

É que o Poder Judiciário mato-grossense passou muito tempo sem ser comandado por uma mulher.

Antes de Maria Helena Póvoas vencer a eleição em 2020, o TJMT só havia dito uma presidente mulher, a desembargadora aposentada Shelma Lombardi de Kato no biênio 1991/1993.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

FOLHAJUS

Justiça concede isenção do imposto de renda a José Riva

Publicados

em

O juiz da 4ª Vara Especializada de Fazenda Pública de Cuiabá, magistrado Gerardo Humberto Alves da Silva Júnior, acolheu a manifestação de José Riva e concedeu a isenção do imposto de renda sobre a aposentadoria do ex-deputado.

A decisão foi divulgada no Diário de Justiça desta quinta-feira (30) e aponta também que os valores que foram cobrados via imposto de renda desde 2015 deverão ser devolvidos ao ex-parlamentar.

Conforme divulgado pela reportagem, Riva entrou na Justiça para que a cobrança fosse suspensa pelo fato de ter tido neoplasia maligna, que é um tipo de câncer de tireóide. A justificativa dada foi a de que a doença se enquadrava no rol que garantia a isenção do imposto.

Laudo médico emitido em maio deste ano chegou a apontar que Riva não teria mais a doença. Contudo, o ex-deputado contestou o resultado sob a justificativa de que sua condição não tem cura e que realiza consultas com o oncologista até os dias de hoje.

Ao avaliar o pedido, o juiz acatou a argumentação de Riva e concedeu o desconto da cobrança. Além disso, o magistrado também determinou que seja devolvido o dinheiro descontado desde o ano de 2015.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Homem de 38 anos é assassinado a tiros em lava a jato no interior do estado
Continue lendo

MAIS LIDAS DA SEMANA