Dólar Comercial
CUIABÁ
  ÚLTIMAS NOTÍCIAS

VIDA E ESTILO

PEP e PDS: saiba o que fazer se a camisinha estourou

Publicados

VIDA E ESTILO

Nunca é demais repetir: o uso do preservativo não apenas como médoto contraceptivo , mas para evitar infecções sexualmente transmissíveis (ISTs, antigamente chamadas de DSTs) como o HIV e o HPV, um dos principais responsáveis pelo desenvolvimento do câncer de colo de útero . Contudo, mesmo no sexo seguro existe o risco da camisinha se romper durante o ato. Nessas horas, é necessário tomar algumas providências.

Em alguns casos, como o de Iara*, 22, jornalista, a confiança no parceiro basta para que nenhuma decisão seja tomada. No caso dela, a camisinha estava furada, mas os riscos são os mesmos. “Eu só descobri porque estava gozada, mas como era com o meu ex, não fiz nada. Tomei pílula do dia seguinte e fiquei pensando nas DSTs, mas como era namorado, acabei confiando”, conta.

Mesmo que a confiança no parceiro seja uma questão, é importante fazer tomar as atitudes corretas para prevenir qualquer doença ou gravidez indesejada. Giórgia Lauriano Pasquali, ginecologista e colaboradora da Plataforma Sexo sem Dúvida, conta que para evitar a gravidez, é  necessário tomar a pílula do dia seguinte (PDS) caso a paciente não use qualquer outro método anticoncepcional.

“A pílula do dia seguinte não deve ser um método que a gente utiliza com frequência, porque é uma carga hormonal mais alta, mas ela pode ser usada então para essas emergências. O ideal é que, apesar de chamar pílula do dia seguinte, ela seja tomada o quanto antes. Então, o ideal é nas primeiras vinte e quatro horas ou até setenta e duas horas pós sexo”. A pílula pode ser comprada em qualquer farmácia sem prescrição médica.

Para não contrair qualquer IST, a ginecologista explica que existe um protocolo que pode ser realizado no SUS ou em consultórios de saúde privados. Ele consiste em exames e o acompanhamento da paciente, que são feitos após a exposição.  O PEP (Profilaxia Pós-Exposição de Risco)e PrEP (Profilaxia Pré-Exposição de Risco) são dois protocolos recomendados no combate a DSTs, especialmente AIDS. Eles devem ser usados após quaisquer situações (camisinha rompendo, violência sexual) na qual essa exposição ocorreu.

Leia Também:  FMF divulga mata-mata das quartas do Mato-grossense com início no sábado

“Alguns exames não positivam logo após o contato. A hepatite B pode demorar até seis meses para positivar. Existem alguns medicamentos que a gente faz para que essa paciente, mesmo tendo contato com o vírus ou algumas bactérias, não desenvolva a doença”, explica. Para isso, ela ressalta que é de extrema importância procurar um atendimento médico.

Como saber, porque ela rompe e como prevenir que isso aconteça?

Se está na dúvida sobre a camisinha ter estourado ou não, Pasquali conta que geralmente, o látex, material que a camisinha é feito, fica com um buraco grande, mas que também é possível amarrar a ponta aberta e fazer uma pressão para ver se sai ar ou secreção do outro lazo.

O rompimento das camisinhas pode acontecer por vários motivos, como o uso de lubrificantes oleosos , relação sexual muito prolongada, falta de lubrificação, tamanho errado da camisinha (quando o pênis é muito maior) ou também a colocação errada, é preciso deixar um espaço no final da glande para ter a ejaculação, como explica a ginecologista.

Além disso, a camisinha também pode romper dependendo da forma como foi armazenada. Pasquali indica não deixar em ambientes abafados como carro e também tomar cuidado com a unha e anéis na hora de abrir. “Para evitar que ela estoure, veja o tamanho adequado, cuidado com o armazenamento, não deixe em ambientes com muito calor. Se a mulher não tem muita lubrificação, use lubrificante a base de água e evite relações em ambientes úmidos. Banheiras, piscinas e período que está com muito fluxo menstrual”.

A camisinha feminina pode ser a solução

A camisinha feminina também é uma opção aos alérgicos ao látex
Divulgação/Governo do Rio

A camisinha feminina também é uma opção aos alérgicos ao látex

Basta fazer sexo para que o risco exista, mas entre a camisinha masculina (a mais comum) e a feminina, que não é tão divulgada, a mais propícia a estourar é a camisinha masculina.  As camisinhas femininas também são vendidas em farmácias e mercados, mas a diferença entre elas é que a feminina é maior e inserida diretamente na vagina ou no ânus.

“O material látex é mais sensível, fica mais fácil de estourar, por exemplo, com lubrificantes. A camisinha feminina não tem a necessidade desse ajuste e ela é feita, geralmente, de poliuretano, que é um material que estoura menos. Então, se a gente for pensar em segurança, tanto anticoncepcional, quando para ISTs, a camisinha feminina seria mais segura”, diz Pasquali.

Leia Também:  Várzea Grande abre pré-cadastro para pessoas de 50 a 54 anos sem comorbidades e começa imunização de garis

E quando o parceiro tira a camisinha sem consentimento?

Não é incomum que um parceiro, fixo ou casual, tire a camisinha sem a permissão da outra parte . A prática, conhecida como stealthing, além de ser uma atitude desrespeitosa e de quebra de confiança, é também perigosa. Mas será que é crime? A advogada Ana Maria Colombo, especialista em direito penal, explica que no Código Penal há algumas dificuldades em adequar essa prática e que a decisão de a atitude será ou não crime dependerá do contexto em que a situação ocorrer.

“Embora haja controvérsias, não se pode descartar a possibilidade de o ato — desde que sem o conhecimento/consentimento da/o parceira/o — se enquadrar no delito previsto no artigo 215, que criminaliza a conduta daquele que tem conjunção carnal com alguém mediante fraude ou o outro meio que impeça ou dificulte a livre manifestação da vontade da vítima”, diz.

Colombo ainda detalha que a prática pode configurar delito de exposição a risco de contágio venéreo intencional, que é previsto no artigo 130 do Código Penal, e que pune aquele que, por meio de relação sexual, expõe alguém ao risco de contrair doença venérea de qual é portador.

A advogada indica que neste caso e se a vítima quiser, ela pode registrar uma ocorrência, preferencialmente em delegacia especializada ao atendimento da mulher. “Além disso, importante alertar para os direitos previstos na chamada “Lei do Minuto Seguinte” (Lei n. 12.845), que garante a vítimas de violência sexual o atendimento emergencial, integral e multidisciplinar, entre os quais o recebimento de coquetel anti-DSTs, teste de gravidez, amparo psicológico e, inclusive, coleta de material genético do agressor”, completa. Portanto, se você for vítima de stealthing, pode procurar o serviço público de saúde para receber o atendimento gratuitamente.

Fonte: IG Mulher
COMENTE ABAIXO:
Propaganda

VIDA E ESTILO

Caminhão arqueado: como nova moda cria “máquinas de matar” nas estradas

Publicados

em

Toda vez que pego a estrada, volto para casa com dezenas de perguntas e indignações. Minha última viagem foi uma semana atrás, quando percorri duas vezes (ida e volta) o trecho entre Salvador e Guanambi, no sudoeste baiano, de 670 quilômetros. Nesse trajeto, passei pelas BRs 324, 116 e 030 e pela BA 026 com vários trechos em situações deploráveis.

Mas não foi a condição da estrada o que mais me chocou, e sim o número de caminhões arqueados, ou seja, com a frente rebaixada e traseira empinada: uma verdadeira máquina de matar, mesmo em acidentes considerados simples.

Com mais ou menos 200 km de viagem, decidi contar quantos caminhões alterados passavam pelo meu caminho: cheguei à conclusão de que a cada 10 veículos de carga, pelo menos dois estavam alterados.

É claro que os 1,3 mil quilômetros que percorri não são nada perto de todas as estradas brasileiras, por isso, decidi conversar com o Rodolfo Rizotto, fundador do SOS Estradas, para entender se o que vi refletia a realidade. “Virou febre. No Instagram de grupos de caminhoneiros é uma loucura o que eles postam de barbaridades.”

Leia Também:  Fiscalização autua posto de combustível em VG por venda de etanol adulterado

Pesquisando mais a fundo, percebi que os caminhoneiros que fazem as maiores intervenções são considerados verdadeiros ícones nesses grupos, como o Edson Juhem, conhecido como Jaquirana GBN, proprietário do caminhão mais arqueado do Brasil: Scania 114G 340, que vem acoplada em uma carreta com apenas um eixo. A carreta recebeu um suporte alongado para as bolsas de ar e balanças da suspensão. A badana, ou lameiro, tem 2,25 metros de altura.

Não faltam ícones do movimentos como Cabelo Batateiro, denunciado em matéria anterior de UOL Carros e dono de caminhões super famosos que têm até apelidos carinhosos, como Joaninha. Um Scania P310 com dianteira encostada no chão e traseira elevada que chega a 1,70 m.

Os modelos que vi nas estradas talvez não cheguem a esse nível de ousadia, mas estavam claramente com a traseira bem mais alta do que a configuração de fábrica e a dianteira encostando no chão. E o pior: completamente carregados.

Segundo informações de Rodrigo Kleinubing, engenheiro especialista em acidentes de trânsito, caminhões desse tipo são verdadeiras máquinas de matar. Isso porque, alterando características originais, não é mais possível garantir os mesmos parâmetros de estabilidade e frenagem do veículo.

Leia Também:  Mulher entra em pânico ao ver cobra entrando em loja

“A alteração mexe com dois itens que não devem ser mudados: a suspensão e o sistema de freios. Mexer no projeto original coloca em risco a segurança do caminhoneiro e de outras pessoas que transitam pelas estradas”.

Traseira da "Joaninha" tem 1,70 m de altura! - Reprodução/Youtube - Reprodução/Youtube
Traseira da “Joaninha” tem 1,70 m de altura!

Imagem: Reprodução/Youtube

Rodrigo alerta que os acidentes envolvendo veículos de carga com traseira elevada podem ser muito mais graves, considerando o grande número de batidas de carros de passeio atrás de caminhões nas rodovias devido à diferença de velocidade média.

“Elevar a traseira incentiva o fenômeno de o carro entrar sob o caminhão em caso de batidas. Tínhamos esse problema sério no Brasil, que foi resolvido com a obrigação das placas retrorrefletoras e dos para-choques. Esse tipo de acidente é altamente letal porque quando um carro entra embaixo do caminhão é muito comum que os passageiros da frente sejam decapitados”, alerta o especialista.

O que mais assusta nesse cenário é a cultura do “quanto pior, melhor”. Alguns desses caminhoneiros, nos grupos, argumentam que essas mudanças aumentam a estabilidade, o que não faz nenhum sentido, já que o centro de gravidade do carro é completamente alterado.

Outros, menos preocupados com opiniões contrárias, acham graça quando o caminhão “foge” da estrada. Em que momento colocar a própria vida e a dos outros em perigo virou motivo de piada?

Penalidade

Apesar de não representar nada frente ao perigo em caso de acidentes, há punições para esse tipo de alteração. Suspensão irregular rende multa e retenção do veículo.

Conforme inciso VII do artigo 230 do CTB, conduzir veículo com características alteradas sem autorização constitui infração grave, com acréscimo de cinco pontos no prontuário da CNH, multa de R$ 195,23 e retenção do veículo até a sua regularização.

Quer ler mais sobre o mundo automotivo e conversar com a gente a respeito? Participe do nosso grupo no Facebook! Um lugar para discussão, informação e troca de experiências entre os amantes de carros. Você também pode acompanhar a nossa cobertura no Instagram de UOL Carros.

 

Fonte: UOL 

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

MAIS LIDAS DA SEMANA